A elaboração de projetos experimentais como bônus de nota em Exatas

Um grande incentivo ao aprendizado de Ciências é a elaboração de projetos que coloquem à prova matérias aprendidas teoricamente em sala de aula. Uma reclamação comum dos estudantes é não conseguir visualizar de forma prática a matéria. Por que não além de mostrar como pode ser feito o experimento, permitir que os alunos o façam e ainda recebam pontuação extra para tal?

imageExemplificando!

Em Física temos matérias relativas a movimento. Uma simples possibilidade de experimentação pode se utilizar de carrinhos demarcando posição inicial, e outros pontos demarcando qual foi o trajeto percorrido. Com base nisso, pode-se calcular aceleração, velocidade…Por que se restringir a avaliação de uma prova se na prática pode ser demonstrada a matéria?
E nesse mesmo caso, se fossem feitas pistas com diferentes características, como em planos inclinados, curvas…Não seria de maior fácil assimilação?
Em Química, aprendemos sobre substâncias, misturas e suas separações. E se o próprio aluno trouxesse de casa uma sua e a classificasse? Os pontos de fusão, ebulição e densidade também podem facilmente ser mensurados em sala de aula.
E por que não em Matemática? Podemos ter alunos montando as suas próprias formas geométricas e contando os números de arestas, medindo os lados, calculando áreas e volumes. Ressaltando ainda esse último item, poderiam tentar inclusive preencher seu modelo geométrico para compreender melhor essa ideia de ocupação de uma forma no espaço.

Já dizia Aristóteles, a muitos séculos atrás:

“quem possua a noção sem a experiência, e conheça o universal ignorando o particular nele contido, enganar-se-á muitas vezes no tratamento”

E se muitas vezes as confusões ou lacunas vivenciadas pelos alunos não poderiam ser contornadas pela experimentação? Através dela, podendo se restringir deixar margem à interpretações errôneas, como possibilidade apontada pelo filósofo?

As tarefas não precisariam ter cunho obrigatório, mas opcional. A pontuação seria dada àqueles que apresentassem, sem obrigatoriedade.
Quanto há ainda a ser explorado em salas de aula! E por que não permitir aos alunos que, através da experimentação, vivenciem isso?

Deixe uma resposta