Ensino reflexivo x Ensino não reflexivo

Primeiramente coloca-se a questão: Existem professores que não refletem sobre o ensino?
Uma vez que as aulas em si exijam que deva ser pensado sobre elas, não se enquadraria em dizer que é reflexivo? Consideremos sob essa ótica: o professor pode não refletir sobre os valores e objetivos que direcionam o seu trabalho. Apenas pensar sobre o conteúdo transmitido em si não é considerado reflexivo. Não se trata de desqualificar aqueles que aderem a um foco técnico. Mas apresentar como um ensino reflexivo pode aprimorar a qualidade do ambiente educacional.

Uma reflexão sobre o comportamento “off-task”

Um aspecto muito comum nas salas de aulas brasileiras é uma linha de comportamento negligente ou

mesmo agressiva dos estudantes. De imediato, muitas vezes a reação é querer acabar imediatamente com aquilo. Mas então qualquer medida para tal fim é o suficiente? Digamos, por exemplo, que uma pessoa está acostumada a usar palavras de baixo calão quando se sente pressionada. Ao se sentir assim quando estudantes começarem a intervir improdutivamente na aula, não haveria um grande risco de que reagisse de forma ofensiva ou no mínimo agressiva? E sendo assim, considerando o estudante que já não agiu com grande maturidade posteriormente, respondendo também com agressividade pode ser um ciclo que não finde. Podendo tender ainda a casos mais extremos.

Quem são os alunos?

Um caminho de resolução contundente pode partir justamente da postura mais reflexiva. Em uma de suas nuances: quanto antes e mais conhecer o estudante, melhor. E isso inclui aspectos como região onde mora, quadro sócio-econômico em que se encontra, estrutura familiar, entre outras características muito importantes para entender seu modo de agir. Uma vez compreendido isso ao

O convívio estudante-professor costuma ser de muito tempo. É refletido o suficiente sobre essa conexão?

O convívio estudante-professor costuma ser de muito tempo. É refletido o suficiente sobre essa conexão?

máximo, menos riscos se corre de agir impulsivamente de forma que o aluno não veja naquela situação que precisa melhorar seu comportamento. Conhecer a realidade que cerca o estudante é também entender melhor como se aproximar ou transmitir importantes ideias para a formação dele. Em uma analogia: seria como aprender a cultura de um país diferente antes de visitá-lo.

Mas uma ressalva: O professor não deve ser visto obrigatoriamente como aquele responsável por todos os aspectos educacionais do estudante. Não se deve isentar, por exemplo, a responsabilidade dos familiares nas questões comportamentais. E nem que ele mesmo deva saber quando agiu erroneamente, ou mesmo que não deva ter alguma punição.
Apenas pode-se entender que muitos problemas em salas de aula podem ser abordados de forma mais eficiente. Questionar um pouco da resposta usual do professor é um caminho. Pode-se até considerar que está trazendo resultados positivos para ele mesmo, pois a uma turma com melhor comportamento é muito mais fácil lecionar. E, convenhamos, como o professor brasileiro tem direito a isso!

1 comment for “Ensino reflexivo x Ensino não reflexivo

  1. Gabriel
    agosto 20, 2016 at 9:20 pm

    Uma boa relação de professor e aluno pode sem dúvida, despertar o interesse pelo conhecimento. No caso de um professor que tem atitudes rudes com os alunos, acaba impondo medo e assim limitando o interesse pelos assuntos abordados. Quando pais e mestres se unem, traz consequências positivas para o desenvolvimento e aprendizado da criança.

Deixe uma resposta