Passar de ano de maneira automática X Futuro do aluno

A repetência escolar, tem sido alvo de maneira constante de uma discussão permanente que se estabeleceu no Brasil no ano de 1996 quando foi aprovada e regulamentada a Lei de Diretrizes e Bases da Educação(LDB), que implantava o sistema de progressão parcial, defendido por grandes nomes da Educação como o Paulo Freire.

Passar de ano

Como a repetência pode interferir no ensino?

 

Esta ideia basicamente consiste em se abolir totalmente a repetência nas escolas, que é apontado até hoje como uma das principais causas de problemas como evasão escolar do aluno, causando uma série de problemas diversos para a vida pessoal e profissional do aluno, uma outra questão que este sistema buscava também atender era interesses políticos  relacionados a educação Brasileira

O que a política tem haver com a educação?

A politica tem basicamente tudo haver com o que muitos apontam como sendo o fracasso da escola pública brasileira, pois existe uma série de interesses que os alunos menos favorecidos economicamente não aprendam corretamente, assim quando foi implantado a progressão parcial houve uma manipulação deste sistema que de longe é o que foi idealizado por grandes nomes como Paulo Freire, porém a grande questão é será que este sistema de aprovação automática ele consegue atender a demanda deste grupo politico que realizou esta manipulação?

Passar de ano

Por que a política tem tanto impacto na educação?

A resposta a esta pergunta está na grande questão que é: Como o aluno aprende de fato? Hoje em dia em meio a evolução tecnológica onde temos que as pessoas acessam o que desejar por meio de diversas tecnologias se pode dizer que o conhecimento não é nos dias de hoje exclusividade da escola, assim mesmo com esta manipulação política é possível sim que o aluno aprenda mesmo com a aprovação automática nas escolas públicas.

Mas, de repente em meio a pergunta surge a grande questão: Como a aprovação automática influi na aprendizagem do aluno? A aprovação automática permite que o aluno passe praticamente sem nehnum conhecimento, porém o educador por lei é obrigado a ensinar determinados conhecimentos então se o aluno se atentar ao professor  o fato de ter ou não a repetência escolar não vai prejudicar o processo de  aprendizagem.

 

E no trabalho do educador em que a ausência da repetência influi?

O professor como um grande intelectual tem como principal missão de proporcionar aos seus alunos o conhecimento, ou seja, ensinar, o grande desafio para o docente de maneira especial que ando se fala da questão do processo de ausência da repetência nas escolas é estimular o aprendizado do aluno por meio de diversas ferramentas.

A primeira ferramenta é a linguagem com que o professor usa para ministrar determinado conteúdo por, exemplo falar da era Barroca a uma sala de adolescentes entre 15-17 anos, ao invéz de simplesmente explicar o conteúdo, trazer vídeos sobre a era Barroca para serem vistos em sala de aula, permitir a participação do aluno na aula.

Passar de ano

O que é a aprovação automática?

 

A segunda ferramenta, está na  interação, é fundamental que o professor não se ponha como um carrasco mas sim como um amigo no caso de for trabalhar como adolescentes se for trabalhar com crianças como um cuidador somente assim se poderá mudar a cultura de repetência que existe no Brasil e que só fez mais excluir do que incluir.

A aprovação automática pode interferir no futuro do aluno?

A resposta como colocada anteriormente é não se a escola aprova ou não de forma automática por determinado aluno isso de longe pode ser instrumento de desestimulo ao processo de apoderamento do conteúdo, por parte do aluno em muitos casos a repetência faz a desestimulação do aprendizado do aluno.

Existe no Brasil, uma cultura entre as escolas que o aluno para aprender precisa ser submetido a avaliações rígidas, esta cultura de repetência escolar foi trazida ao Brasil nos anos de 1930, devido à realidade com que se vivia na época que era a ascensão de sistemas autoritários como por exemplo o Nazismo.

 

Porem com a explosão de movimentos sociais na década de 80 a repetência passou a ser amplamente discutida nas mais diversas universidades e nos círculos sociais vigentes daquele momento histórico no Brasil, surgia assim a discussão da LDB que foi aprovada em 1996, em 2001 ocorreu a discussão na UNESCO sobre a sociedade do conhecimento.

Estes dois fatores serviram de base para a implantação do sistema de progressão parcial, que foi transformado pelo governo federal em um sistema de aprovação automática que não necessariamente fabrica por analfabetos como alguns educadores insistem em dizer, mas sim aponta para a Educação Brasileira um novo desafio

Passar de ano

A escola do ontem e do hoje.

 

O novo desafio que a LDB impõe ao educador é como lidar com uma escola onde não haja repetência, como método de educação? Como estimular o aprendizado do aluno? Como lidar com está escola sem repetência?

Estas são algumas das muitas perguntas que as pessoas podem e devem fazer o tempo todo, para si mesmas e que influi diretamente no processo de aquisição ou não de determinado conhecimento por parte do aluno em questão e até da discussão sobre a repetência nas escolas brasileiras.

1 comment for “Passar de ano de maneira automática X Futuro do aluno

  1. fevereiro 1, 2017 at 9:12 pm

    Um assunto bem polêmico mesmo, parabéns pelo artigo, acredito que no ensino precisa de uma grande reforma!

Deixe uma resposta