Pequenos historiadores

O ensino de história, para crianças do quinto ao nono ano, pode ser um desafio. Isto porque atrair os jovens estudantes ao conhecimento do passado implica dar a este passado um sentido que possa ser assimilado pelos alunos.

Há assim, um retorno aos porquês. A velha pergunta sobre o porquê do conhecimento histórico, é retomada, talvez até mesmo com maior intensidade para estes jovens do presente que, a partir do presente,  de seu tempo, farão suas indagações a respeito do passado. Diante deste quadro, como transformar o conteúdo ministrado em sala de aula, acessível aos alunos e como fazer das aulas de história momentos mais dinâmicos e carregados de significado?

Uma sugestão é propor aos alunos que formulem perguntas a respeito de seu contexto, sócio, econômico, cultural.  Por exemplo, a história da família, de cada aluno, pode ser resgatada em dinâmicas de história oral, na quais os alunos podem formular as próprias perguntas e entrevistar seus familiares de gerações mais antigas, pais, avós, tios. Este olhar para o passado, advindo do meio familiar, trilhará o caminho até  o presente, até os próprios alunos que, assim, poderão compreender a dinâmica do tempo, analisar as diferentes versões dos mesmos fatos e, consequentemente, construir a interpretação individual da história da própria família.

A historicização de temas que habitam o cotidiano dos alunos, pode vir a responder a velha questão: por que estudar história? No entanto, o professor, ainda que esclareça esta questão, está preso aos conteúdos programáticos exigidos, ou seja, a dinâmica proposta leva a um dilema: como inserir o conhecimento produzido pelos alunos nestes conteúdos e como relacioná-los com aquilo que é exigido? Com a História do Brasil ou História Geral?

Cabe ao professor, por meio das pesquisas de seus alunos, traçar um panorama, de acordo com o exemplo sugerido, da história da família brasileira e a partir deste grande tema, advindo da história cultural, inserir os demais conteúdos exigidos e necessários para o ensino e aprendizado de história. É um exercício interessante, capaz de expandir  o entendimento sobre história, assim como tornar as aulas mais dinâmicas, indo além da explanação do professor, ao fazer com que os alunos participem e se tornem construtores e produtores de conhecimento histórico, guardadas as devidas proporções e limitações de cada turma.

Ou seja, partindo de micro objetos de estudo e pesquisa, o professor pode atingir os grandes eventos, a longa duração, destacar as permanências e impermanências da história, tornado a compreensão da história, para estes alunos, um processo mais palatável e acessível.

Outro grande tema que pode ser explorado, é a história da infância.  Investigar, com os alunos, como era ser criança no passado, além de ser um tema que pode despertar muito interesse, ajudará na compreensão tanto do passado histórico como do presente. Há, na literatura brasileira de história, uma vasta e interessante pesquisa sobre o tema que, se retirada dos meios acadêmicos, pode contribuir, e muito, para o ensino de nossos jovens, e para tornar a história cada vez mais interessante e necessária.

 

 

Deixe uma resposta